window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Papa aos acadêmicos da Hungria: conhecimento é humildade e justiça

O Papa Francisco dirigiu-se aos acadêmicos e cientistas húngaros no último evento público da sua Visita Apostólica e exortou-os a serem sempre humildes e a recordarem que o conhecimento é a verdade e que a verdade é a liberdade

Da redação, com Vatican News

O Pontífice, em sua despedida da Hungria, encontra-se com acadêmicos e expoentes culturais do país / Foto: Remo Casilli – Reuters

O último encontro do Papa Francisco em Budapeste se deu na Universidade Católica Péter Pázmány, onde conversou com representantes acadêmicos húngaros e expoentes da cultura.

Em seus discursos, o Santo Padre se concentrou na aquisição do conhecimento, que segundo ele “implica um constante plantio de sementes que se enraízam no solo da realidade e dão frutos ricos”.

O Pontífice recordou Romano Guardini, “um grande intelectual e um homem de fé profunda”, afirmou que havia “duas maneiras de ‘saber’”: uma é um conhecimento e domínio gentil e relacional, que Guardini descreveu como “governar pelo serviço, criação a partir de possibilidades naturais, que não transgride limites estabelecidos”, a outra maneira, Guardini descreveu como algo não inspecionado, mas em análise.

A máquina

O Sucessor de Pedro observou que, nesta segunda forma de conhecimento, “os materiais e a energia são direcionados para um único fim: a máquina”, e que, como resultado, “está se desenvolvendo uma técnica de controle das pessoas vivas”.

“Guardini não demonizou a tecnologia”, observou Francisco, “que melhora a vida e a comunicação e traz muitas vantagens, mas alertou para o risco de que ela possa acabar controlando, senão dominando, nossas vidas. Ele previu a ameaça e nos deixou com a pergunta: a vida pode manter seu caráter vivo neste sistema?”, indagou.

Realidade contemporânea

O Papa observou que muito do que Guardini previu parece óbvio para nós hoje. “Basta pensar na crise ecológica, na falta de limites éticos, em nossa tendência a nos concentrarmos no indivíduo, absortos em suas necessidades, ávidos por ganho e poder, e na consequente erosão dos laços comunitários, com o resultado que a alienação e a ansiedade não são mais apenas crises existenciais, mas problemas sociais”, disse ele.

O Pontífice citou, como fizera antes, o romance “O Senhor do Mundo”, de Robert Hugh Benson, descrevendo-o como sendo “até certo ponto profético em sua descrição de um futuro dominado pela tecnologia, em que tudo se torna insosso e uniforme em nome do progresso, e proclama-se um novo ‘humanitarismo’, anulando a diversidade, suprimindo a distinção dos povos e abolindo a religião”.

Verdade é liberdade

O ponto final do Papa Francisco ao mundo acadêmico e cultural refletiu nas palavras de Jesus, quando Ele disse: “A verdade vos libertará”.

O Papa observou que “a Hungria viu uma sucessão de ideologias que se impuseram como verdade, mas não conseguiram dar liberdade”, acrescentando que esse risco permanece até hoje.

“Penso na passagem do comunismo ao consumismo”, disse o Papa, observando como é fácil passar dos limites impostos ao pensamento, à crença de que não há limites.

Em vez disso, disse o Papa Francisco, “Jesus oferece um caminho a seguir; Ele nos diz que a verdade nos liberta de nossas fixações e estreitezas. , humilde e aberto, concreto e comunitário, corajoso e construtivo”.

As universidades, concluiu o Papa, são chamadas a cultivar esta forma de conhecimento relacional, expressando seus votos de que todas as universidades “sejam sempre faróis de universalidade e liberdade, oficinas fecundas de humanismo, laboratórios de esperança”.

Verdade é liberdade

O ponto final do Papa Francisco ao mundo acadêmico e cultural refletiu nas palavras de Jesus, quando Ele disse: “A verdade vos libertará”.

O Papa observou que “a Hungria viu uma sucessão de ideologias que se impuseram como verdade, mas não conseguiram dar liberdade”, acrescentando que esse risco permanece até hoje.

“Penso na passagem do comunismo ao consumismo”, disse o Papa, observando como é fácil passar dos limites impostos ao pensamento, à crença de que não há limites.

Em vez disso, disse o Papa Francisco, “Jesus oferece um caminho a seguir; Ele nos diz que a verdade nos liberta de nossas fixações e estreitezas. , humilde e aberto, concreto e comunitário, corajoso e construtivo”.

As universidades, concluiu o Papa, são chamadas a cultivar esta forma de conhecimento relacional, expressando seus votos de que todas as universidades “sejam sempre faróis de universalidade e liberdade, oficinas fecundas de humanismo, laboratórios de esperança”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo