window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Peregrinação penitencial

Papa pede perdão aos indígenas pelo mal cometido por tantos cristãos

Pedido de perdão aos indígenas marcou o primeiro discurso de Francisco no Canadá

Huanna Cruz
Da Redação 

Papa Francisco se encontra com populações indígenas no Canadá / Foto: REUTERS/Todd Korol

O pedido de perdão aos indígenas do Canadá marcou o discurso do Papa Francisco em seu primeiro compromisso oficial nesta segunda-feira, 25. O Santo Padre se encontrou com as populações indígenas First Nations, Métis e Inuit, um evento introduzido com uma canção, com a batida do tambor que representa a batida do coração da mãe terra, também um cântico de vitória.  

Acesse
.: Discurso do Papa Francisco na íntegra

.: Notícias sobre a viagem do Papa Francisco ao Canadá

“Quero iniciar daqui, deste lugar tristemente evocativo, o que tenho em mente fazer: uma peregrinação penitencial”, afirmou o Papa, que chega às terras indígenas para exprimir à população o seu pesar, implorar de Deus perdão, cura e reconciliação, manifestando a eles a sua proximidade.

Na ocasião, o Pontífice recordou os encontros que tiveram em Roma, há quatro meses. Naquela altura, foram-lhe entregues dois pares de mocassins, sinal das tribulações sofridas pelas crianças indígenas, particularmente por aquelas que, infelizmente, não mais regressaram à casa das escolas residenciais.

Que toda criança seja tratada com amor

“A recordação daqueles meninos infunde consternação e incita a agir para que toda a criança seja tratada com amor, veneração e respeito. Mas estes mocassins falam-nos dum caminho, dum percurso que desejamos fazer juntos. Caminhar juntos, rezar juntos, trabalhar juntos, para que os sofrimentos do passado dêem lugar a um futuro de justiça, cura e reconciliação”.

Diante disso, Francisco fez questão que a primeira etapa da sua peregrinação entre eles fosse nesta região que conhece, desde tempos imemoriais, a presença das populações indígenas. “É um território que nos fala, que permite fazer memória de tudo o que eles viveram naquele território, durante milhares de anos, com estilos de vida que respeitaram a própria terra, herdada das gerações passadas e guardada para as futuras”.

Em sua mensagem, Francisco afirmou que os indígenas trataram a terra como um dom do Criador que há de ser partilhado com os outros e amado na harmonia com tudo o que existe, numa interconexão vital de todos os seres vivos que os fizeram aprender a nutrir um sentido de família e de comunidade, e desenvolver laços sólidos entre as gerações, honrando os idosos e cuidando dos pequeninos.

Por outro lado, a memória também recorda tristemente alguns fatos. Francisco lembrou que o lugar onde aconteceu o encontro de hoje repercute um grito de dor. Segundo o Papa, é justo fazer memória, porque o esquecimento leva à indiferença.  “Fazer memória das experiências devastadoras que aconteceram nas escolas residenciais impressiona, indigna e entristece, mas é necessário”, ressalta.

 Pedido de perdão pelas cicatrizes de feridas ainda abertas

O Pontífice, a par duma memória antiga, guarda as cicatrizes de feridas ainda abertas. Por isso, ele se fez presente no local para renovar o pedido de perdão. O Papa quis dizer de coração que deplora esta situação e pede perdão em particular pelas formas em que muitos membros da Igreja e das comunidades religiosas cooperaram, inclusive através da indiferença, naqueles projetos de destruição cultural e assimilação forçada dos governos de então, que culminaram no sistema das escolas residenciais. A estas palavras a população aplaudiu o Papa.

Embora estivesse presente a caridade cristã e tivesse havido não poucos casos exemplares de dedicação às crianças, as consequências globais das políticas ligadas às escolas residenciais foram catastróficas. Pesa saber, observou, que sobre aquele terreno compacto de valores, língua e cultura, que conferiu às populações indígenas um genuíno sentido de identidade, se tenha abatido a erosão. Perante este mal que indigna, a Igreja ajoelha-se diante de Deus e implora o perdão para os pecados dos seus filhos. “Desejo reiterá-lo claramente e com vergonha: peço humildemente perdão pelo mal cometido por tantos cristãos contra as populações indígenas”, ressaltou o Papa.

Muitos indígenas e representantes afirmaram que o pedido de desculpa não é ponto de chegada. O Pontífice afirmou concordar plenamente, pois constitui apenas o primeiro passo, o ponto de partida, pois «olhando para o passado, nunca será suficiente o que se faça para pedir perdão e procurar reparar o dano causado», e de que, «olhando para o futuro, nunca será pouco tudo o que for feito para gerar uma cultura capaz de evitar que essas situações não só não aconteçam, mas que não encontrem espaços para serem ocultadas e perpetuadas».

Por fim, Francisco encerrou a sua colocação falando que reza e espera que os cristãos e a sociedade desta terra cresçam na capacidade de acolher e respeitar a identidade e a experiência das populações indígenas. E faz votos de que seja o Espírito Santo que os faça caminhar juntos.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo