Igreja e Ciência

Observatório de Bioética trará lado científico da defesa da vida, diz bispo

Para o idealizador do observatório, Dom Ricardo Hoepers, a iniciativa embasará cientificamente os valores cristãos de defesa da vida

Júlia Beck,
com colaboração de Fernanda Ribeiro

Dom Ricardo Hoepers/ Foto: Arquivo CNBB

A partir deste mês de novembro, a Igreja no Brasil passou a contar com um Observatório de Bioética. O idealizador do projeto, o bispo de Rio Grande (RS), Dom Ricardo Hoepers, comentou sobre a iniciativa e a importância dela para as várias discussões sociais em torno da vida. “Nós, como Igreja, temos que defender a cultura da vida, por isso precisamos pesquisar e mostrar o lado científico da defesa da vida”, argumentou.

Segundo o bispo, o observatório surgiu de uma necessidade da Igreja, de responder às demandas e aos dilemas de bioética. “Basta abrir uma revista, um jornal, ligar a TV, ou acessar uma rede social para você ver quantos dilemas na área de bioética, quantos problemas que estão aí para serem resolvidos”, exemplificou.

A Constituição Apostólica “Veritatis Gaudium” apresenta, de acordo com Dom Hoepers, quatro pontos para o diálogo social, seriam eles o querigma, a transdisciplinaridade, a interdisciplinariedade e por fim o trabalho ecumênico. “Nós temos que conquistar os espaços e dialogar. É algo importantíssimo para uma sociedade plural”, pontuou o bispo que apontou a vida como um assunto de interesse geral.

Para o idealizador do observatório, a iniciativa embasará cientificamente os valores cristãos de defesa da vida. “Vimos no STF, na ADPF, que todos os pró-aborto apresentaram pesquisas. Porque nós como católicos, Universidades Católicas e Pró-Vida, não podemos apresentar as nossas pesquisas para fazer esse contraponto? Então o observatório tem a mostrar uma realidade diferenciada dessa que estamos engessados a olhar, de uma cultura da morte”, comentou. 

Leia mais
.: Aborto: leia as íntegras dos discursos da CNBB no STF
.: Religiosos avaliam discussão sobre aborto no STF
.: Comissão da CNBB mobiliza cristãos na luta contra legalização do aborto

O Regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é o responsável pela supervisão do observatório, contando com 4 províncias, nelas constam 4 comissões de bioética e 4 comissões de promoção e defesa da vida. As comissões são, de acordo com Dom Hoepers, um braço científico e um braço pastoral que unem ciência e fé, pesquisa e pastoral familiar. “É a sociedade interpelando as universidades, e as universidades respondendo a sociedade”.

“Nós queremos unir à bioética aqueles pontos de vulnerabilidade humana que ainda precisam ser respondidos e não são temas de pesquisas dentro das universidades. Queremos apresentar essas pesquisas para termos uma resposta e mobilizar toda a sociedade no que se refere à defesa da vida”, comentou o bispo de Rio Grande.

Sobre o papel da Pastoral Familiar dentro do observatório, Dom Hoepers afirma que é ela que mobiliza os cristãos em defesa da vida. “Queremos que todo o regional apresente junto com a Pastoral Familiar, os projetos lá na paróquia, na comunidade, na diocese, com mobilizações, momentos de unidade, tudo em defesa da vida”, comentou o bispo que concluiu: “A vida precisa ser a nossa bandeira mais importante”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo
ABORTO