window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

ATO DE HUMANIDADE

Mulher cruza fronteira com a Hungria e leva filho para mãe ucraniana

A Ucrânia proibiu homens de 18 a 60 anos deixar o país, levando um pai a entregar seus filhos a uma estranha que os levou à mãe

Da redação, com Reuters

Mãe reencontra filho e filha após pai ser forçado a entregar filhos e ficar na Ucrânia / Foto: Reprodução Reuters

Segurando o celular de uma mulher que nunca conheceu, Nataliya Ableyeva cruzou a fronteira da Ucrânia para a Hungria no sábado, 26, encarregada de uma carga preciosa.

Os filhos de uma pessoa que ela nunca viu.

Esperando na fronteira do lado ucraniano, Ableyeva conheceu um homem desesperado de 38 anos, vindo de sua cidade natal de Kamianets-Podilskyi, com seu filho e filha.

Os guardas de fronteira não o deixaram passar. A Ucrânia proibiu todos os homens ucranianos, entre 18 e 60 anos, de sair, para que possam lutar por seu país.

“O pai deles simplesmente entregou as duas crianças para mim, dando-me seus passaportes para trazê-los”, disse Ableyeva, de 58 anos, com os braços do menino que ela conhecia há apenas algumas horas.

Leia também
.: Arcebispo Grušas: Lituânia dará boas-vindas a refugiados da Ucrânia

A mãe ucraniana das crianças estava a caminho da Itália para encontrá-las e levá-las para um local seguro, disse o pai. Ele deu a Abeyeva o número do celular da mãe e se despediu de seus filhos, cobertos contra o frio em casacos grossos e vestindo chapéus.

Ableyeva havia deixado seus dois filhos adultos para trás na Ucrânia. Um policial e um enfermeiro não puderam deixar a Ucrânia sob o decreto de mobilização. Ela pegou as duas crianças pequenas pela mão e, juntas, cruzaram a fronteira.

No lado húngaro, em Beregsurany, eles esperaram, sentados em um banco perto de uma tenda montada para o fluxo constante de refugiados que atravessavam a fronteira. O menino estava chorando quando seu celular tocou.

Era sua mãe que estava quase no posto da fronteira.

Quando Anna Semyuk, de 33 anos, chegou, com o cabelo loiro preso em um rabo de cavalo, abraçou o filho e foi até a filha, deitada exausta no banco de trás de um carro e enrolada em um cobertor rosa. Ela agradeceu a Ableyeva. Em pé no chão frio, duas mulheres se abraçaram por vários minutos e começaram a chorar.

“Tudo o que posso dizer aos meus filhos agora é que tudo ficará bem”, disse Semyuk. “E em uma ou duas semanas iremos para casa”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo