window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Novas medidas

Vaticano apresenta orientações pastorais para ajudar deslocados internos

Proposta é apoiar os deslocados internos; documento foi apresentado em coletiva de imprensa on-line sem a presença de jornalistas

Da Redação, com Boletim da Santa Sé

Apresentação do documento aconteceu em coletiva on-line sem a presença de jornalistas / Foto: Reprodução Youtube Vaican News

A Seção Migrantes e Refugiados, do órgão vaticano para o Desenvolvimento Humano Integral, apresentou, nesta terça-feira, 5, um documento com Orientações Pastorais para os Deslocados Internos (IDP). A proposta é apoiar todas as pessoas que vivem nas periferias existenciais e necessitam ser “acolhidas, protegidas, promovidas e integradas”.

Participaram da coletiva de imprensa (realizada on-line sem a presença de jornalistas), dois sub-secretários da Seção, o Cardeal Michael Czerny e o padre Fábio Baggio, e a coordenadora internacional do Serviço dos Jesuítas para os Refugiados, Dra. Amaya Valcárcel.

Cardeal Czerny lembrou que, desde o início de seu pontificado, o Papa Francisco tem exortado a Igreja a acompanhar as pessoas que são obrigadas a fugir. Ele estabeleceu a Seção para Migrantes e Refugiados que, desde 2017, tem a missão de ajudar os bispos e todos os que estão a serviço das pessoas vulneráveis em deslocamento.

Em 2018, o órgão já havia preparado Orientações Pastorais sobre o Tráfico Humano, para providenciar considerações e propostas que católicos e outros atores podem usar em seu ministério pastoral.

“No ano passado, a Seção Migrantes e Refugiados realizou, novamente, duas consultas com líderes da Igreja e organizações parceiras, com praticantes e acadêmicos trabalhando no campo do deslocamento interno. Hoje, estamos felizes de apresentar as Orientações Pastorais sobre as Pessoas Deslocadas Internamente, aprovadas pelo Santo Padre e destinadas a guiar o ministério da Igreja aos deslocados internos no planejamento e engajamento prático, na defesa e no diálogo”, disse Cardeal Czerny.

Padre Fábio Baggio mencionou os últimos dados do Internal Displacement Monitoring Centre (IDMC), os quais mostram que, durante 2019, foram registrados em todo o mundo, 33,4 milhões de novos deslocados internos. Destes, 8,5 milhões foram obrigados a deixar a própria casa por causa de conflitos internos, enquanto 24,9 milhões o fizeram por causa de desastres.

Sobre as orientações

“As Orientações se agrupam em torno de quatro verbos com os quais o Santo Padre quis sintetizar a pastoral migratória: acolher, proteger, promover e integrar. A estrutura seguida por cada ponto evidencia, de um lado, os desafios e, de outro, as respostas que devem ser reforçadas e/ou colocadas em prática pela Igreja”, explicou padre Baggio.

O sacerdote expôs algumas das questões relacionadas a cada um desses pontos. Com relação ao primeiro verbo, “acolher”, foi associado o desafio da invisibilidade dos deslocados internos que, junto à carência de dados e falta de um reconhecimento formal, aumenta a sua vulnerabilidade. Também foi evidenciada a precariedade em que se encontram muitas das comunidades que recebem e a responsabilidade das instituições, seja em caso de emergência seja em caso de situações de deslocamento prolongado.

Sobre o verbo “proteger”, o desafio da falta de instrumentos internacionais de proteção. Especificamente, foram considerados o aumento da vulnerabilidade para pessoas já frágeis, a proliferação de tráfico e condições de risco em áreas urbanas e campos de refugiados.

Com relação ao terceiro verbo, “promover”, o documento introduz o desafio da inclusão socioeconômica, que passa pelo reconhecimento e identificação pessoal. Este é um aspecto no qual se evidencia a necessidade de uma administração sólida e transparente dos fundos destinados aos deslocados.

Já sobre o último verbo, “integrar”, começa-se pelo desafio da elaboração de soluções duradouras, que preveem tanto a integração dos deslocados junto às comunidades que os recebem quanto o seu retorno para casa.

“As orientações concluem com um ponto dedicado à importância da cooperação entre todos os atores, fomentando o trabalho conjunto entre todas as realidades católicas, a colaboração inter-confessional e inter-religiosa e a disponibilidade de coordenar os esforços com as instituições propostas, as agências internacionais e outras entidades da sociedade civil”, pontuou padre Fábio.

Serviço Jesuíta para Refugiados

O Serviço Jesuíta para Refugiados está presente em 56 países, com a missão de acompanhar, servir e defender os direitos dos migrantes forçados, entre estes os deslocados internos. Trabalha com populações deslocadas internas em 14 países.

Também presente na coletiva de hoje, Dra. Amaya Valcárcel destacou que o maior problema dos deslocados internos é sua invisibilidade, bem como a limitação do acesso a essas populações. “A crise social e econômica produzida pela Covid-19 pode resultar em uma maior invisibilidade e uma maior restrição aos deslocados internos”, disse.

Ela explicou que o Serviço Jesuíta para Refugiados realiza uma estratégia integrada que combina integração política e econômica através de projetos de acesso a pequenos empregos, empoderamento social e reconciliação.

“Tudo isso com o objetivo de promover soluções duradouras”. Em sua colocação, ela deu exemplos da realização desse trabalho em algumas partes, como na região de Dohuk, no Iraque, e em Burundi e Sudão do Sul, na África.

“Para uma organização da igreja como o Serviço Jesuíta aos Refugiados, é essencial que o Santo Padre publique um documento com orientações para o trabalho com os deslocados internos, pois havia o perigo de que essa população – nada menos que 50 milhões de pessoas – fosse totalmente invisível. Agradecemos, profundamente, ao Santo Padre, que, uma vez mais, colocou no centro as pessoas que estão na periferia do nosso mundo, neste caso os deslocados internos”.

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo