window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

NO VATICANO

Papa faz apelos contra a violência e a guerra após Regina Coeli

Francisco falou da situação crítica enfrentada no Sudão do Sul e também na Ucrânia, além de lembrar do Dia Mundial das Comunicações Sociais e da Semana Laudato Si’

Da Redação, com Vatican News

Papa Francisco discursa a fiéis reunidos na Praça São Pedro neste domingo, 21 / Foto: Vatican Media/IPA/Sipa USA via Reuters Connect

Após rezar o Regina Coeli neste domingo, 21, o Papa Francisco falou da violência no Sudão do Sul. Diante do cenário do país africano, reforçou o pedido pela deposição das armas. O Santo Padre também lembrou do “martirizado povo ucraniano”.

“Encorajando os acordos parciais alcançados até agora, renovo o meu apelo à deposição das armas e peço à comunidade internacional que não poupe esforços para fazer prevalecer o diálogo e aliviar o sofrimento da população. Por favor, não vamos nos acostumar com conflitos e violência. Não vamos nos acostumar com a guerra”, declarou o Pontífice.

Comunicação e cuidados com o planeta também lembrados

Na sequência, Francisco recordou que neste domingo é celebrado o Dia Mundial das Comunicações Sociais, declarando que “é o coração que nos move para uma comunicação aberta e acolhedora”. A fala faz referência ao tema da data neste ano, “falar com o coração”, e após ela o Pontífice pediu uma salva de palmas aos jornalistas.

Leia mais
.: “Festejamos a conquista do céu”, afirma Papa sobre a Ascensão de Jesus
.: Papa ao G7: abandonem as armas nucleares, priorizem a paz

O Papa também lembrou do início da Semana Laudato Si’ neste dia 21, exortando todos a cuidar da casa comum. “Há tanta necessidade de combinar habilidades e criatividade”, afirmou, ao passo que recordou as enchentes em Emilia-Romagna, Itália, e reforçou sua proximidade às vítimas.

Por fim, Francisco saudou os fiéis de diversos países e encerrou como de costume: “por favor, não se esqueça de rezar por mim”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo