window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Aos funcionários do Vaticano

No escondimento e na pequenez, cresce o amor, afirma Papa

Na manhã desta quinta-feira, 21, Francisco encontrou os funcionários da Santa Sé na Sala Paulo VI para as felicitações de Natal

Da redação, com Vatican News 

Papa cumprimentou funcionários e parentes de funcionários do Vaticano durante encontro na Sala Paulo IV, nesta quinta-feira, 21/ Foto: REUTERS – Guglielmo Mangiapane

Nas felicitações de Natal aos funcionários do Vaticano, reunidos na Sala Paulo VI com seus familiares, o Papa Francisco dedicou seu discurso à contemplação do Mistério do nascimento de Jesus. “É belo poder captar o estilo de Deus, que não é grandioso nem barulhento, mas, ao contrário, é o estilo da ocultação e da pequenez”, disse.

Segundo o Santo Padre, essas são duas palavras importantes: ocultação e pequenez. Segundo o Pontífice, elas transmitem a mansidão de Deus, que não vem até a humanidade para a aterrorizar com sua grandeza ou para se impor com sua magnificência, mas se faz presente da maneira mais comum possível, tornando-se homem. 

Caminho para entrar no Reino de Deus

Francisco recordou que Deus se esconde na pequenez de uma criança que está nascendo, de um casal – Maria e José – que não está sob os holofotes, mas na pobreza de um estábulo, porque não havia lugar para eles na hospedaria. 

“Essas são as marcas registradas do Filho de Deus, que então se apresentará ao mundo como uma pequena semente que morre escondida na terra para dar frutos. Ele é o Deus dos pequeninos e dos menores e, com Ele, todos nós aprendemos o caminho para entrar no Reino de Deus: não uma religiosidade aparente e artificial, mas tornar-nos tão pequenos quanto as crianças”.

Escondimento cotidiano 

Os funcionários do Vaticano conhecem bem as palavras ocultação e pequenez, afirmou o Papa. Segundo ele, o trabalho realizado pelos funcionários é feito, em sua maioria, no escondimento do cotidiano, muitas vezes realizando coisas que podem parecer insignificantes e que, em vez disso, contribuem para oferecer um serviço à Igreja e à sociedade. 

Ao agradecer os presentes, Francisco pediu que continuem a trabalhar em espírito de gratidão, com serenidade e humildade, e dando testemunho cristão, em suas relações com seus colegas e companheiros. 

“Olhem para a ocultação e a pequenez de Jesus na gruta; olhem para a simplicidade do presépio, e tenham certeza de que o bem, mesmo quando está oculto e invisível, cresce sem ruído, multiplica-se inesperadamente e espalha a fragrância da alegria”. 

Amor não faz barulho

O Santo Padre enfatizou que a sociedade atual vive uma época que, às vezes, parece obcecada com a aparência. Ele sublinhou que todos tentam se exibir, especialmente por meio da chamada mídia social:

“É um pouco como querer taças de cristal preciosas sem se importar se o vinho é bom. Mas na família, as aparências e as máscaras não contam ou, pelo menos, duram pouco; o que conta é que não falte o bom vinho do amor, da ternura e da compreensão mútua”. 

Leia mais
.: Papa: mundo está poluído pelas aparências e pela cultura da maquiagem

E o amor, frisou o Pontífice, não faz barulho: “É isso que desejo a vocês: que estejam atentos, em seus lares e em suas famílias, às pequenas coisas do dia a dia, aos pequenos gestos de gratidão, à atenção do cuidado. Olhando para o presépio, podemos imaginar a atenção, a ternura de Maria e José para com o Menino que nasceu. Quero lhes desejar esse estilo”.

Por fim, o Papa desejou a todos um santo Natal, e fez um convite: “Vamos abrir nossos corações para a alegria: o Senhor está vindo habitar entre nós!”

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo