window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Advento

No Advento, padre comenta sobre a figura de Maria: confiança e servidão

Protagonista do quarto domingo do Advento, Maria é “aquela que foi sensível à voz de Deus e entendeu as necessidades alheias”, afirma padre Gustavo Uchoa

Julia Beck
Da redação

Virgem Maria em uma de suas representações como Nossa Senhora de Fátima / Foto: Arquivo Canção Nova

“Quem porta Deus é servidor e não egoísta”. A frase é do pároco da Igreja Nossa Senhora Aparecida e Santo Expedito, localizada em Lorena (SP), padre Gustavo Uchôa, e faz referência a Maria, protagonista do evangelho deste quarto domingo do Advento, 23. O texto narra o encontro de Maria com sua prima Isabel e a icônica saudação de Isabel a Maria: “Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?” (Lc 1,42).

O sacerdote recorda a decisão de Maria, de ajudar sua prima Isabel durante uma gravidez de risco. “Maria, aquela que encontrou ‘graça diante de Deus’ (cf. Lc 1,30), após o diálogo com o anjo segue em missão. Aquela que foi sensível à voz de Deus também soube entender as necessidades alheias, não fechou-se em si mesma, deleitando-se no fato de trazer em seu ventre o Filho de Deus, ao contrário, pôs-se a caminho num gesto de solidariedade”, frisou.

Pároco da Igreja Nossa Senhora Aparecida e Santo Expedito de Lorena (SP), padre Gustavo Uchôa/ Foto: Arquivo Pessoal/ Padre Gustavo

Na liturgia deste domingo, padre Gustavo reforça a figura de Maria como representante de um povo. “A promessa da chegada do Salvador aguardado por Israel torna-se realidade, ‘o Senhor olhou para a humildade de sua serva’ (Lc 1,48). O anúncio a Maria dirige-se também à comunidade fiel. A alegria de Maria é a alegria de todos, a Boa Notícia não é exclusividade, a comunidade também é agraciada pela encarnação do Verbo Divino”, afirma o sacerdote.

Leia mais
.: Papa sobre Maria: “Protagonismo que não tem medo da ternura”
.: “Maria é a cheia de graça, José é o homem justo”, afirma Papa

A confiança, além da servidão, é outro atributo de Maria, destacado pelo sacerdote. “Maria não confiou porque foi beneficiada, simplesmente amava a Deus, era fiel aos ensinamentos da tradição hebraica, cantava salmos, fazia orações de súplica e louvor, acolhia a Palavra de Deus. Porque era fiel soube confiar!”, comentou padre Gustavo, em referência à frase dirigida por Isabel a Maria, descrita no evangelho deste domingo – “Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor prometeu”. Aos fiéis, o sacerdote frisou: “A confiança está intimamente ligada à fidelidade (…). Quando nos deixamos conduzir por Deus somos envolvidos também por esta força do alto”.

A paz também está presente na liturgia do quarto domingo, na primeira leitura, tirada da profecia de Miquéias sobre a vinda de Jesus. Na profecia, está escrita a frase: “Ele mesmo será a paz”, em referência à vinda de Cristo. “Miquéias está situado num contexto de conflitos e injustiças. Por isso, a profecia em seus lábios não ignora a realidade. Olhando ao seu redor profetiza: ‘De Belém sairá aquele que será a Paz’ (cf. Mq 5,1-4)”, comenta o sacerdote. Para padre Gustavo, o cristão também é alguém que almeja a paz, e que deve promovê-la.

Leia também
.: Papa Francisco: “Maria não pode ser a mãe dos corruptos”
.: “Maria é modelo de cristã por excelência”, afirma Dom Lessa
.: Catequese: não somos órfãos, Maria é Mãe da esperança

“Não podemos nos acomodar às estruturas fáceis, não podemos fechar os olhos ao que se passa em nosso bairro, cidade, país, mundo. Quando assumimos nossa fé imitamos Jesus Cristo, ele é a Paz, nós somos promotores. Não nos deixemos levar pelo medo e conformismo, o Espírito de Deus está sobre nós!”, exortou o sacerdote.

O advento é, de acordo com padre Gustavo, um tempo propício para que a humanidade acolha Jesus novamente. “Preparemos nossa ‘manjedoura interior’, revendo tudo aquilo que precisa ser deixado de lado, o que precisa de ajustes, o que ainda precisamos adquirir para a vinda do Senhor. Cada cristão vive um processo contínuo de conversão na esperança de um ‘novo céu e nova terra’ (cf. Ap 21,1)”, sublinhou. Segundo o sacerdote, é no Advento que divino e humano se encontram: “Senhor se faz ‘Deus Menino para nosso bem’, e nós vamos ao seu encontro para ofertar-lhe o que somos e temos, confiantes que Ele nos acolherá, reanimando-nos com alegria e esperança”, concluiu.

Confira as reflexões dos domingos do Advento
.: Advento é tempo de reforçar a verdadeira esperança, diz bispo
.: Advento: a Igreja é chamada a imitar estilo de Jesus, diz bispo
.: 3º Domingo do Advento: bispo reflete sobre o chamado à conversão

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo