window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Papa envia videomensagem para países que visitará na África

Às vésperas de sua chegada ao continente, Francisco diz que vai à África como ministro do Evangelho para levar paz e reconciliação

Da Redação, com Boletim da Santa Sé

Às vésperas da viagem do Papa Francisco à África, Quênia, Uganda e República Centro-Africana receberam uma videomensagem do Santo Padre. Francisco diz que visita os três países como ministro do Evangelho, para levar paz e reconciliação.

“Venho proclamar o amor de Jesus Cristo e sua mensagem de reconciliação, perdão e paz”, diz o Papa ao Quênia e Uganda, acrescentando que sua visita busca também confirmar a comunidade católica na fé.

Acesse
.: Todas as notícias sobre a viagem do Papa à África

Francisco também manifesta o desejo de encontrar as pessoas do país, oferecendo a elas uma palavra de encorajamento. Nos tempos atuais, ele lembra que os crentes e as pessoas de boa vontade são chamadas ao respeito mútuo e a conviver com os outros como membros de uma única família, a humana.

“Sei que muitas pessoas estão trabalhando duro para preparar minha visita e agradeço a elas. Peço que todos rezem a fim de que minha visita ao Quênia e a Uganda seja fonte de esperança e encorajamento para todos”.

Na videomensagem à República Centro-Africana, Francisco expressa seu afeto por todos, independente da etnia ou crença religiosa. E lembrando o histórico de violência na região, ele afirma que o escopo de sua visita é levar, em nome de Jesus, consolo e esperança.

“Espero de todo coração que a minha visita possa contribuir, de um modo ou de outro, para aliviar as vossas feridas e favorecer as condições para um futuro mais sereno”, diz o Papa, acrescentando seu desejo de incentivar o diálogo inter-religioso para encorajar a convivência pacífica no país: “sei que isso é possível, porque somos todos irmãos”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo