"A economia precisa de ética", diz Papa aos empresários

O Papa Francisco recebeu no Vaticano a Associação de Dirigentes Cristãos de Empresas, que reúne os empresários católicos

Da redação, com Rádio Vaticano

Neste sábado, 31, o Papa Francisco recebeu na Sala Paulo VI, no Vaticano, a Associação de Dirigentes Cristãos de Empresas, que reúne os empresários católicos, artífices do desenvolvimento do bem comum.

Aos cerca de sete mil membros da Associação, o Papa disse: “Para atingir este objetivo, vocês dão grande importância à formação cristã, mediante o aprofundamento do Magistério social da Igreja”. E os exortou:

“Este compromisso formativo é o fundamento da ação, seja pessoal, no modo de desempenhar esta profissão, seja social, no apostolado do ambiente de trabalho. Por isso, exorto-os a prosseguir com entusiasmo nas suas atividades formativas, sendo fermento e estímulo, com a palavra e o exemplo, no mundo empresarial”.

Leia
.: Divulgadas as intenções de oração do Papa para novembro
.: Papa aborda papel do empresário cristão na sociedade

O Papa Francisco frisou ainda que enquanto Associação eclesial, reconhecida pelos Bispos, eles são chamados a viver, com fidelidade, as instâncias evangélicas e a Doutrina Social da Igreja nas famílias, trabalho e sociedade.

Neste sentido, o Pontífice incentivou os membros da Associação de Dirigentes Cristãos de Empresas a viver a missão empresarial com o mesmo espírito da ação missionária laical. O trabalho de um empresário é nobre e permite estar a serviço do bem comum.

“A empresa e o trabalho dos seus dirigentes podem ser lugares de santificação, mediante o esforço de cada um de construir relações fraternas entre empresários, dirigentes e operários, favorecendo a corresponsabilidade e a colaboração em prol do bem comum e, sobretudo, da família”.

A vocação de ser missionário da dimensão social do Evangelho no difícil e complexo mundo do trabalho, da economia e da empresa, comporta também certa abertura e proximidade evangélica das diversas situações de pobreza e fragilidade. E o Papa acrescentou:

“Mas, não é suficiente dar assistência ou fazer beneficência. É preciso orientar a atividade econômica, no sentido evangélico, a serviço da pessoa e do bem comum. Nesta perspectiva, vocês são chamados a cooperar com o crescimento do espírito empresarial de subsidiariedade, para enfrentar juntos os desafios éticos do mercado, criando oportunidades de trabalho”.

Por fim, o Santo Padre disse que a empresa é um bem de interesse comum, que favorece o desenvolvimento econômico, a inovação e o emprego. Para que isto seja possível, a economia e a empresa precisam da ética para seu bom funcionamento, colocando ao centro de tudo a pessoa e a comunidade.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo