window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Novo decreto

Papa: nomeações para organismos vaticanos e Universidade Urbaniana

Entre os nomeados estão o monsenhor Joseph Murphy, monsenhor Fernández González, padre Antonino Spadaro, professor Vincenzo Buonomo e padre Marek Andrzej

Da redação, com Vatican News

Foto: Arnold Straub via Unsplash

O Papa Francisco renovou alguns cargos na Secretaria de Estado. Ele nomeou o monsenhor Joseph Murphy como subsecretário na Seção para o pessoal com função diplomática da Santa Sé e monsenhor Fernández González como chefe do Protocolo da Secretaria de Estado.

Ainda na qualidade de subsecretário, mas agora no Dicastério para a Cultura e a Educação, o Pontífice nomeou o padre Antonino Spadaro, até agora diretor da revista jesuíta La Civiltà Cattolica. O religioso começará a exercer a função em 1º de janeiro de 2024.

Padre Spadaro, depois de se formar em Filosofia pela Universidade de Messina em 1988, emitiu os votos solenes na Companhia de Jesus em 2007. Em 2000 obteve o Doutorado em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Inscrito no Colégio de Escritores da revista La Civiltà Cattolica em 1988, tornou-se seu diretor em 6 de setembro de 2011. É consultor do Dicastério para a Cultura e a Educação e membro Ordinário da Pontifícia Ilustre Academia de Belas Artes e Letras dos Virtuosos do Panteão.

Buonomo novo delegado pontifício na Urbaniana

Outra nomeação foi a do professor Vincenzo Buonomo como delegado da Pontifícia Universidade Urbaniana de Roma. O Pontífice o nomeou, conferindo-lhe também, lê-se no decreto, “a autoridade e os poderes do Reitor Magnífico, para que possa providenciar o que for necessário para garantir que a Universidade Urbaniana garanta uma contribuição qualificada à pesquisa teológica e em outras disciplinas, um ensinamento cada vez mais fecundo para as novas gerações e um ensinamento reconhecido, capaz de dar respostas à Igreja e ao mundo contemporâneo”.

O Papa, no mesmo decreto, explicou como “é necessário adaptar o serviço e a função da Universidade Urbaniana às necessidades do tempo presente, chamada a contribuir para a ação missionária da Igreja que precisa de crescer na interpretação do Palavra revelada e na compreensão da verdade também por meio da atividade acadêmica, cultural e científica para formar aqueles que são chamados a cooperar no anúncio do Evangelho, no aprofundamento da vida de fé e ao governo nos territórios da primeira evangelização”.

O professor Buonomo, que assumirá o cargo a partir de 1º de outubro de 2023, “exercerá seu mandato de acordo com o Grão-Chanceler e os Superiores da Seção para a primeira evangelização e das novas Igrejas particulares do Dicastério para a Evangelização, reportando-se diretamente a mim para as questões de maior relevância” e também favorecerá “a necessária inclusão da Universidade Urbaniana no processo iniciado” desejado pelo Papa e “coordenado pelo Dicastério para a Cultura e a Educação, destinado a reorganizar as Instituições Acadêmicas Pontifícias Romanas que são administradas diretamente pela Sé Apostólica”.

Novo presidente da Comissão de Ciências Históricas

Padre Marek Andrzej Inglot, S.I., foi nomeado o novo presidente do Pontifício Comitê para as Ciências Históricas. O padre Inglot era até então professor titular da Faculdade de História e Patrimônio Cultural da Igreja da Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Polonês, nascido em 1961 em Brzozów, padre Inglot ingressou na Companhia de Jesus em 1980, foi ordenado sacerdote a 29 de Junho de 1988 e emitiu a profissão perpétua a 22 de Agosto de 1997.

Obteve o Doutorado em História da Igreja na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma em 1995. Desde 1993 leciona na Faculdade de História e Patrimônio Cultural da Igreja da referida Universidade, da qual também foi Decano. É membro da Pontifícia Comissão das Ciências Históricas desde 17 de março de 2020.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo