window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Apelo por refugiados

Cardeal fala sobre o incêndio em campo de refugiados em Moria

Presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE) fala sobre a tragédia que se abateu sobre o campo de refugiados na Grécia

Da redação, com Vatican News

Cardeal Jean-Claude Hollerich, presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE) / Foto: Reprodução Youtube

O campo de refugiados de Moria era o lar para cerca de 13 mil pessoas — mais de quatro vezes sua capacidade total. Especialistas e trabalhadores humanitários há muito criticam as condições de vida pouco higiênicas em Moria, que tornaram o distanciamento físico e medidas básicas de higiene impossíveis de implementar, mesmo em um momento em que os primeiros casos de coronavírus estão sendo relatados.

A causa do incêndio ainda não é clara. Milhares de homens, mulheres e crianças estão agora sem alojamento e as autoridades gregas lutam para encontrar abrigo para elas.

O Papa Francisco visitou o acampamento, que está quase totalmente destruído pelo fogo, durante uma visita de um dia a Lesbos, em abril de 2016. Ele aproveitou a oportunidade para expressar sua proximidade e solidariedade aos refugiados e para pedir a política de requerentes de asilo da UE urgentemente necessária reforma.

O cardeal Jean-Claude Hollerich, presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE), disse à Rádio Vaticano que a identidade da Europa queimou junto com o campo e que uma política europeia comum para os refugiados está muito defasada.

O religioso descreveu o fogo como “uma vergonha à Europa”, porque não é apenas o acampamento que está em chamas, mas a própria identidade do velho continente. “Acho que a Europa deveria ter vergonha, porque este [incêndio] é o resultado do desespero no coração das pessoas”, advertiu o cardeal.

O cardeal recordou uma visita pessoal que fez ao acampamento de Moria, juntamente com o Esmoleiro Apostólico, o cardeal polonês Konrad Krajewski. Hollerich disse, na ocasião, que eles tiveram a chance de falar ao povo: “ouvimos este profundo desespero em seus corações”. “A escuridão”, continuou ele, “invadiu o coração dessas pessoas, e acho que o fogo é uma consequência dessa atitude. Uma atitude que é alimentada por nossa inação. ”

Para prevenir desastres humanitários como este, o Cardeal Hollerich expressou sua convicção de que é necessária uma política comum por parte da União Europeia para os refugiados e requerentes de asilo.

Recuperando raízes cristãs

O cardeal Hollerich disse estar atento à presidência alemã, que está trabalhando para ajudar estas pessoas, mas que todos os europeus precisam ter esta responsabilidade. “Não podemos reivindicar as raízes cristãs da Europa se decepcionarmos as pessoas em seu desespero”, disse ele.

O Cardeal destacou a Itália que, nos últimos anos, acolheu muitos refugiados de Moria graças aos corredores humanitários criados pela Comunidade de Sant’Egidio em colaboração com as autoridades italianas.
“Se a Itália, um país com muitos problemas devido à pandemia de Covid, pode aceitar tantas pessoas, por que os países ricos da Europa não podem fazer mais para ajudar os refugiados?”, questionou.

O Cardeal Hollerich concluiu dizendo que este é um apelo “aos países do norte, aos países ricos, para que aceitem mais refugiados”. As igrejas por toda a Europa também são chamadas a reagir de forma mais decisiva.

Reconhecendo o fato de que a arrecadação da Igreja caiu drasticamente devido à pandemia de Covid-19, e pedindo apoio à Comunidade de Sant Egídio que fez um trabalho tão bom em Lesbos, o religioso apontou que “compartilhar não significa apenas ceder em tempos em que desfrutamos de mais riqueza, mas compartilhar significa compartilhar, mesmo que você tenha se tornado pobre”, ponderou.

UNICEF: crianças e vulneráveis são prioridades

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, reagindo ao incidente de Moria, expressou sua “mais profunda simpatia” pelos refugiados e migrantes afetados e indicou que está “pronto para ajudar a atender às necessidades urgentes de mais de 4 mil crianças, particularmente 407 menores desacompanhados e extremamente vulneráveis”.

O UNICEF comunicou também que, com seus parceiros, transformou o seu “Centro de Apoio à Criança e Família Tapuat”, que fica próximo ao campo de Moria, num abrigo de emergência para acolher temporariamente os mais vulneráveis, incluindo aqueles com necessidades críticas, até que alternativas sejam identificadas.

A agência da ONU agradeceu às autoridades locais, ONGs e equipes de resposta pela linha de frente por seu trabalho em lidar com a crise, apontando que a pandemia de coronavírus torna mais complexo e crítico implementar uma resposta rápida e segura.

Apelo de organizações religiosas

O Centro Astalli, a sede italiana do Serviço Jesuíta para Refugiados (JRS), envolvido no acompanhamento, serviço e defesa dos direitos dos refugiados e deslocados, também expressou preocupação com o incêndio em Moria.

“Há muito tempo os migrantes e as organizações humanitárias reclamam a evacuação do campo, denunciando o grave estado de degradação e abandono”, disse o padre Camillo Ripamonti, presidente do Centro Astalli, em nota divulgada à imprensa.

“É tempo de a União Europeia mostrar solidariedade” e “agir para a evacuação imediata dos migrantes de Lesbos”, pediu o padre, propondo que isso seja feito por meio de uma “distribuição controlada de migrantes entre os Estados membros”, em vez de agrupar milhares de pessoas acampadas em um só lugar.

Na mesma linha, a Comunidade de Santo Egídio também apelou aos Estados membros da UE para que abram suas portas aos migrantes que perderam tudo e viveram em condições precárias depois de fazer viagens arriscadas de seus países – muitos do Afeganistão.

“A Europa, se ainda vive de acordo com sua tradição de civilização e humanidade, deve assumir a responsabilidade por meio de um ato de responsabilidade coletiva”, disse a Comunidade em um comunicado oficial divulgado nesta quarta-feira, 9.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo