"Somos irmãos e irmãs"

Vaticano envia mensagem aos muçulmanos pelo fim do Ramadã

“Podemos nos chamar de irmãos e irmãs na fé num só Deus”, disse o Vaticano em mensagem aos muçulmanos

Da redação, com Rádio Vaticano

O Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso enviou, nesta sexta-feira, 18, uma mensagem aos muçulmanos do mundo inteiro por ocasião do fim da Festa do Ramadã.

“Para nós é uma grande alegria dirigir-lhes as nossas felicitações e votos pela celebração do ‘Id al-Fitr’, que encerra o mês do Ramadã, dedicado ao jejum, à oração e ajuda aos pobres. No ano passado, o Papa Francisco assinou a mensagem por ocasião desta festa e no Angelus de 11 de agosto de 2013, os saudou como nossos irmãos”, destaca o documento assinado pelo Presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, Cardeal Jean-Louis Tauran.

“Reconhecemos o significado forte dessas palavras. De fato, cristãos e muçulmanos são irmãos e irmãs da única família humana, criada pelo único Deus. Recordamos o que disse o Papa João Paulo II a alguns líderes religiosos muçulmanos em 1982: ‘Todos nós, cristãos e muçulmanos vivemos sob o sol de um único Deus misericordioso. Cremos num só Deus, Criador do homem. Aclamamos a senhoria de Deus e defendemos a dignidade do homem, enquanto servo de Deus. Adoramos a Deus e somos totalmente submetidos a Ele. Nesse sentido, podemos nos chamar de irmãos e irmãs na fé num só Deus'”, sublinha ainda a mensagem.

“Damos graças ao Altíssimo por tudo o que temos em comum, mesmo conscientes de nossas diferenças. Vemos a importância da promoção de um diálogo frutuoso baseado no mútuo respeito e amizade. Inspirados pelos valores que partilhamos e reforçados pelos nossos sentimentos de fraternidade, somos chamados a trabalhar juntos pela justiça, paz, respeito pelos direitos e pela dignidade humana”, ressalta a nota.

Segundo o documento do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, “o mundo atual deve enfrentar grandes desafios que exigem a solidariedade das pessoas de boa vontade. Estes desafios incluem as ameaças ao meio ambiente, a crise econômica global e os elevados níveis de desemprego especialmente entre os jovens”.

Na mensagem, a Igreja deseja que a “amizade” entre católicos e muçulmanos inspire cada vez mais a colaborar a fim de enfrentar estes desafios com sabedoria e prudência.

“Mostraremos também que as religiões podem ser fontes de harmonia em benefício de toda a sociedade. Rezamos para que a reconciliação, a justiça, a paz e o desenvolvimento permaneçam em nossas prioridades, para o bem-estar e o bem de toda a família humana”, conclui a mensagem do organismo vaticano.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo