window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

ORAÇÃO MARIANA

Angelus: ‘Supere o preconceito e envolva-se na vida de outras pessoas’

Francisco convidou os fiéis a superar os preconceitos e o medo de se envolver na vida dos outros e a seguir o exemplo de Jesus que compartilha nossas feridas e cura nossas vidas

Da redação, com Vatican News

Francisco convidou os fiéis a “transgredirem” com o Evangelho: violar os nossos egoísmos para se “contaminar” com a dor e o sofrimento do outro. Foto: Catholic Press Photo/IPA/ABACAPRESS.COMNo

Refletindo sobre a leitura do Evangelho do dia (Mc 1, 40-45), o Papa Francisco falou sobre como o Senhor se aproximou de nós, quebrou todas as barreiras e tocou nossas vidas para curá-las.

Falando durante o Angelus dominical na Praça de São Pedro, o Papa recordou a leitura do Evangelho do dia, que narra o encontro entre Jesus e o enfermo leproso.

O Pontífice observou que os leprosos eram considerados impuros e, segundo as prescrições da Lei, eram marginalizados e excluídos de todas as relações humanas, sociais e religiosas.

Mas Jesus, disse o Papa, permitiu que o homem se aproximasse d’Ele, a ponto de estender a mão e tocá-lo. “É assim que Ele cumpre a Boa Nova que proclama: Deus se aproximou de nossas vidas, Ele se compadece do destino da humanidade ferida e vem para quebrar todas as barreiras que nos impedem de nos relacionarmos com Ele, com os outros e conosco ”, disse o Pontífice.

Transgressões que superam o preconceito

O Papa Francisco explicou que, neste episódio, o apóstolo destaca duas “transgressões”:

“A primeira transgressão é a do leproso”, disse ele, que “apesar das prescrições da Lei, sai de seu isolamento e vai para Jesus”.

O Sucessor de Pedro explicou que a doença do homem era considerada um castigo divino, mas, “em Jesus, ele consegue ver outro aspecto de Deus: não o Deus que castiga, mas o Pai da compaixão e do amor que nos liberta do pecado e nunca nos exclui de Sua misericórdia”.

O doente, continuou o Papa, pode assim sair do seu isolamento porque em Jesus encontra Deus que partilha a sua dor.

“A segunda transgressão é a de Jesus: embora a Lei proíba os leprosos, Ele se comove, estende a mão e o toca para curá-lo. Ele não se limita a palavras, mas o toca ”, explica.

Tocar com amor, continuou o Papa Francisco, significa “estabelecer uma relação, entrar em comunhão, envolver-se na vida de outra pessoa até o ponto de compartilhar suas feridas”.

Com esse gesto, disse ele, Jesus revela que Deus não é indiferente, não se mantém a “distância segura”: “Ele se aproxima por compaixão e toca a nossa vida para curá-la com ternura”.

Este, disse o Papa, “é o ‘estilo’ de Deus: proximidade, compaixão e ternura: a ‘transgressão’ de Deus. Nesse sentido, Ele é um grande transgressor”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo