window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Igreja

Roma sedia encontro entre comissões da Catequese do sul da Europa

Capital italiana sedia encontro entre Comissões Episcopais da Catequese provenientes de Portugal, Espanha e Itália, com o objetivo de ampliar o trabalho sinodal

Da Redação, com Vatican News

Foto: Educris

A partir desta terça-feira, 23, Roma sedia, durante dois dias, o encontro entre os representantes das Comissões Episcopais da Catequese do sul da Europa, provenientes de Portugal, da Espanha e da Itália. Esta é a terceira vez que representantes desta área se reúnem para dar continuidade a um trabalho sinodal comum, para alargar a reflexão sobre o Diretório para a Catequese e os diferentes desafios para a catequese nesta região.

O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé  (CEECDF), também bispo de Vila Real de Portugal, Dom Antônio Augusto Azevedo, lembra que esse encontro já aconteceu em Lisboa e Madri. “Temos não só uma grande proximidade geográfica, mas a percepção plena de que o caminho a percorrer nesta área da Igreja se fará melhor em partilha, discernimento comum, de modo a podermos perceber os sinais dos tempos e aquilo a que o Senhor nos chama”, destacou.

Após os primeiros dois encontros, os responsáveis pela catequese destes três países deram conhecimento da ideia ao pró-prefeito do Dicastério para a Evangelização, o arcebispo Dom Rino Fisichella, que não só se alegrou pelo movimento como pediu o seu alargamento a outras lugares, confirma a responsável pelo Departamento da Catequese no Secretariado Nacional da Educação Cristã, Irmã Arminda Faustino. “Esses encontros têm nos permitido um conhecimento aprofundado das diferentes realidades no âmbito da evangelização e da catequese”, declarou.

Dom Antônio Augusto Azevedo, que participa pela primeira vez da iniciativa, diz que veio a Roma com expectativa elevada e confiança num momento em que o sul da Europa, tradicionalmente católico, enfrenta grandes desafios. “Antes de mais nada, essa iniciativa, que este ano se alarga a Malta, é um sinal de sinodalidade das igrejas locais. Cada vez mais, e não menosprezando a identidade de cada um, de cada Igreja diocesana, é fundamental conhecer o que cada um vai fazendo e delinear pontos comuns na diversidade”, salientou.

O bispo não tem dúvidas em considerar que “o sul da Europa tem diante de si de um novo impulso evangelizador” que não pode permanecer acomodado na ideia “de que somos culturas de matriz cristã”. “Não podemos desmentir a nossa matriz, porque ela existe mesmo, mas no presente, no atual contexto cultural e social é indispensável um novo impulso uma redescoberta da fé, uma transmissão nova do Evangelho e da vida cristã”, completa.

A proposta da Catequese para adultos

Para o diretor do Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNCE), Fernando Moita, é necessário intensificar um trabalho em conjunto, a partir da publicação do Diretório para a Catequese, buscando oferecer respostas para as realidades atuais. “Não pensamos apenas na realidade das crianças e dos jovens, mas hoje alargamos a reflexão acerca da necessidade de ter uma proposta formal e organizada para a chamada catequese de adultos como proposta da Conferência Episcopal”.

A intuição do catequista

Segundo Fernando Moita, esse é um assunto emergente. “Recentemente tivemos o Encontro Nacional de Catequese onde refletimos sobre esse dom, essa possibilidade que o Papa Francisco ofereceu à Igreja Universal. Queremos aprofundar e conhecer as experiências de outras latitudes”, completou.

O programa em Roma começou nesta terça-feira, 23, com uma reunião na sede da Conferência Episcopal Italiana. Na parte da tarde, além dos trabalhos conjuntos, os responsáveis visitam os Museus Vaticanos. Já nesta quarta-feira, 24, último dia de encontro na capital italiana, o grupo se une virtualmente ao Conselho Europeu das Conferências Episcopais da Europa (CCEE).

 

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo