window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Santidade

Neste sábado, Líbano receberá dois novos beatos mártires

Em meio a desastres e tensões, uma luz de esperança: os libaneses acolherão dois novos beatos, filhos de sua pátria e defensores da fé cristã

Da redação com Agência Fides 

Leonardo Melki e Tommaso Saleh, mártires, missionários capuchinhos que serão beatificados

Neste sábado, 4, será realizada a beatificação dos dois mártires libaneses Leonardo Melki e Tommaso Saleh. Religiosos e sacerdotes da ordem dos Capuchinhos, foram mortos por ódio à Fé na Turquia, no tempo em que os armênios chamam Medz Yeghern, o “Grande Mal” marcado pelo extermínio sistemático de armênios e outros cristãos perpetrados desde 1915 na Península da Anatólia. A liturgia de beatificação será no Convento das Irmãs Franciscanas da Cruz de Jal El- Dib, conhecido por todos os libaneses como o local do primeiro hospital para doentes mentais nascidos no país. 

A celebração da beatificação dos dois mártires será presidida pelo Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal Marcello Semeraro. Em preparação, foi realizada uma semana de encontros, vigílias de oração, procissões e concertos organizados na Terra dos Cedros. Há como grande motivação compartilhar com todos os libaneses, nesta difícil fase de sua história, a comovida gratidão das comunidades cristãs locais pelo tesouro de fé, esperança e caridade que resplandece na experiência martirizada dos dois novos beatos.

Leia  mais
.: Papa convoca dia mundial de oração e jejum pelo Líbano
.: Papa Francisco recebe em audiência o Presidente do Líbano

“Seu martírio aconteceu há mais de cem anos, mas ainda hoje somos chamados a reconhecer a obra do Espírito Santo que opera nestes atos de caridade… A caridade se manifesta na oferta de si mesmo pelos outros, e isso não é um serviço humano, mas vem do Espírito Santo. Hoje, celebramos não dois irmãos mortos, mas dois irmãos ressuscitados em Cristo, que nos indicam o caminho da santidade”. Essa foi a declaração do bispo franciscano conventual César Essayan, Vigário Apostólico de Beirute para os católicos de rito latino, em entrevista à imprensa local. 

Novo beato Leonardo Melki

O Servo de Deus Leonardo Melki (nascido Youssef Houais) nasceu na aldeia libanesa de Baabdath (região de Metn) em 1881, sendo o sétimo de onze filhos. Atraído pelo testemunho dos frades capuchinhos, ingressou na Ordem, oferecendo sua vocação para a missão fora de seu país natal. Completou seus estudos filosóficos e teológicos no convento de Bugià, perto de Esmirna. Professou votos solenes em 2 de julho de 1903 e foi ordenado sacerdote em 4 de dezembro de 1904.

Padre Leonardo exerceu seu apostolado missionário (confissões, pregação, ensino e direção em escolas e pastorais juvenis) nas cidades de Mardin, Mamuret-ul-Aziz e Urfa. Em dezembro de 1914, começaram os atos de violência e as ordens de expulsão contra os frades missionários de Mardin. Padre Leonardo, para não deixar apenas um irmão com mais de oitenta anos, decidiu não abandonar o convento e foi preso em 5 de junho de 1915.

Torturado por dias, foi então deportado para Diyarbakir junto com outros 416 homens, entre os quais também o Arcebispo católico armênio de Mardin Ignace Maloyan, já beatificado. Os deportados foram todos massacrados ao longo do caminho, e seus corpos foram jogados em poços e cavernas.

Novo beato Thomas Saleh

O Servo de Deus Thomas Saleh (nascido Géries) também nasceu na aldeia libanesa de Baabdat, quinto de seis filhos, em maio de 1879. Thomas compartilhou o mesmo caminho vocacional e missionário de seu irmão Leonardo Melki. Recebeu a ordenação sacerdotal em 1904. Sua vida missionária na Península da Anatólia ocorreu principalmente nas cidades de Mardin, Kharput e Diyarbakir.

Em dezembro de 1914, foi expulso com seu irmão e algumas freiras do convento de Diyarbakir e se refugiou no convento de Urfa. No início de 1917, ele foi preso junto com seus irmãos sob a acusação de esconder um padre armênio no convento, para salvá-lo da morte certa, e de possuir uma arma. Deportado de um lugar para outro, adoeceu com tifo e morreu de fome e maus-tratos em Marash, provavelmente em 18 de janeiro de 1917.

Em 27 de outubro de 2020, o Papa Francisco autorizou a Congregação para as Causas dos Santos a promulgar o Decreto sobre o martírio de ambos os Servos de Deus. 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo