window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Pandemia

Remédios e vacinas devem ser direitos de todos, diz Papa em audiência

Em discurso aos membros da Fundação Banco Farmacêutico, Francisco afirmou sobre pandemia: “Seria triste se, ao fornecer a vacina, se desse prioridade aos mais ricos”

Da redação, com Vatican News

O Papa Francisco concluiu sua série de audiências este sábado, 19, recebendo no Vaticano, os membros da Fundação Banco Farmacêutico, presente na Itália e em outras nações, nos 20 anos de sua criação. Em seu discurso o Pontífice foi direto ao denunciar uma “marginalidade farmacêutica”, isto é, pessoas que carecem de medicamentos devido à pobreza.

“Isso cria um ulterior abismo entre as nações e os povos. No plano ético, existe a possibilidade de curar uma doença com um medicamento, isto deveria estar disponível a todos, do contrário se cria injustiça”, afirmou o Pontífice. Demasiadas pessoas, crianças, morrem ainda no mundo porque não podem ter um remédio ou uma vacina que em outras regiões está disponível, complementou.  

 “Conhecemos o perigo da globalização da indiferença; eu lhes proponho, ao invés, a globalização do tratamento, a possibilidade de acesso àqueles medicamentos que poderiam salvar tantas vidas para todas as populações. Isso requer um esforço comum, uma convergência que envolva a todos”. – Papa Francisco

O Papa então se dirigiu aos pesquisadores, casas farmacêuticas, farmacêuticos e governantes: cada um deles, dentro da sua área específica, pode contribuir para que a saúde seja acessível sobretudo aos mais vulneráveis.

Acesso universal à vacina

Para Francisco, não poderia faltar uma menção à situação atual: “A recente experiência da pandemia, além da grande emergência de saúde em que já morreram quase um milhão de pessoas, está se transformando numa grave crise econômica, que gera mais pobres e famílias que não sabem como ir avante.”

Na assistência a essas pessoas, o Pontífice recomenda o combate inclusive à “pobreza farmacêutica”, em especial com uma ampla difusão de novas vacinas. “Repito que seria triste se, ao fornecer a vacina, se desse prioridade aos mais ricos, ou se esta vacina se tornasse propriedade desta ou daquela nação, e se não fosse mais para todos. Deverá ser universal, para todos.”

O Santo Padre concluiu agradecendo uma das iniciativas do Banco, como o Dia de Coleta do Fármaco, “exemplo importante de como a generosidade e a compartilha dos bens podem melhorar a nossa sociedade e testemunhar aquele amor na proximidade que nos é pedido pelo Evangelho”. 

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo