window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Mensagem

No desânimo, Deus nos abraça com amor infinito, diz Papa

Francisco enviou uma mensagem ao arcebispo de Lima, Dom Carlos Castillo, por causa da pandemia

Vatican News

Elevar orações ao Crucificado para implorar sua misericórdia e o fim da pandemia que aflige o Peru. Com esta intenção, o Papa Francisco enviou uma mensagem fraterna aos bispos do país sul-americano e a seu povo, neste primeiro sábado de outubro, 3, dia da tradicional procissão com a imagem do “Senhor dos Milagres” a quem o mês é dedicado, com especial veneração.

“Jesus crucificado, fixo e imóvel na cruz, não pela força dos pregos, mas por seu amor infinito, é a mais bonita prova do amor de Deus pelo amado povo peruano”, escreve o Papa. Nele “o Emanuel”, o “Deus-conosco vai ao encontro de seu povo, em silêncio, para lhe dar vida e conforto”, num abraço de misericórdia e perdão.

A pandemia não impede a Deus de estar perto de nós

Infelizmente, a pandemia impediu, este ano, a realização nas ruas de Lima da tradicional procissão com a qual, durante 332 anos, o povo e os pastores acompanham o Crucifixo “com devoção e esperança”, ressalta o Papa. Mas isso “não impede o Senhor de realizar o milagre de chegar aos milhares de corações bem dispostos que, com fé simples, reconhecem que Deus feito homem continua caminhando com os seus irmãos pelo caminho doloroso de cada época, e continua partilhando a incerteza e o sofrimento de todos, especialmente dos mais pobres, dos excluídos e dos descartados”.

Pandemia, fonte de sofrimento e injustiça

O pensamento comovido do Papa se estende à dramática realidade criada pela pandemia que no Peru causou até agora mais de 32 mil vítimas, e às muitas “duras provações” que irmãos e irmãs estão enfrentando por causa do vírus que “afeta não apenas sua saúde, mas também suas vidas, aumentando a injustiça, o sofrimento, as incompreensões que afetam a dignidade humana, sem distinção de pertença religiosa”, escreve ainda o Pontífice.

No desânimo, o Senhor não nos abandona

Ao reiterar sua oração e sua proximidade a todo o país, o Papa encerra sua mensagem com um encorajamento, “diante do desânimo e do sentimento de impotência” que não faz distinção, mas diz respeito a todos. Ao povo peruano Francisco pede novamente para “olhar mais uma vez para o Senhor” que não nos abandona, mas “nos chama e nos abraça com um amor infinito que nos cura, nos conforta e nos salva”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo