window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047'); window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-EZJ58SP047');

Relatório da ONU

Número de pedidos de refúgio mais que dobra no Brasil em 2018

País se tornou o sexto maior destino de novas solicitações de refúgio em todo o mundo, principalmente em função da crise na Venezuela

Da redação, com Agências

Imigrantes venezuelanos em Roraima / Foto: Arquivo Marcelo Camargo – Agência Brasil

O Brasil recebeu 80 mil pedidos de refúgio em 2018 e se tornou o sexto maior destino de novas solicitações de refúgio em todo o mundo, principalmente em função da crise na Venezuela. Os números estão no relatório “Tendências Globais 2018”, divulgado nesta quarta-feira, 19, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

Leia mais
.: Mais de 70 milhões de pessoas foram forçadas a deixar seus lares em 2018

O Brasil vem registrando um crescimento contínuo no número de novos pedidos de refúgio, que passaram de 10,3 mil em 2016 para 33,8 mil em 2017, antes de mais do que dobrar para 80 mil em 2018.

Segundo dados do Ministério da Justiça, o país recebeu, em 2017, 33.866 pedidos de refúgio, sendo 17.865 de cidadãos venezuelanos e 2.373 de cubanos. Em seguida vieram os haitianos (2.362), angolanos (2.036), chineses (1.462), senegaleses (1.221), sírios (823), nigerianos (549) e outras nacionalidades.

O total registrado em 2017 superou em mais de três vezes o de 2016, quando foram apresentadas 10.308 solicitações de reconhecimento da condição de refugiados. Entre 2011 e dezembro de 2017, o Brasil recebeu 126.102 pedidos. Os dados de 2018 devem ser divulgados em breve.

Ainda em 2017, o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) reconheceu a condição de refugiado de 587 pessoas – dentre os quais houve 156 pedidos de extensão dos efeitos da condição de refúgio. Foram atendidas as solicitações de 310 sírios (o que representou 53% do total); 106 congoleses; 50 palestinos; 24 paquistaneses; 16 egípcios; oito iraquianos e de pessoas de várias outras nacionalidades.

Leia mais
.: Papa: interessar-se pelos migrantes é interessar-se por todos
.: Pesquisa inédita sobre refugiados no país revela boa formação escolar

De acordo com o Conare, a maioria dos imigrantes que buscaram refúgio no Brasil em 2017 é do sexo masculino (71%) e pertence às faixas etárias de 30 a 59 anos (44%) ou de 18 a 29 anos (33%). E a exemplo do relatório do Acnur, também os últimos dados divulgados pelo Conare apontam para a dimensão da crise migratória venezuelana. Enquanto, em 2010, apenas quatro venezuelanos solicitaram refúgio às autoridades brasileiras, em 2013 o total de pedidos salta para 43. A partir daí, a quantidade de pessoas que tentaram regularizar a condição de refúgio passou a aumentar exponencialmente: 201 em 2014; 822 em 2015; 3.375 em 2016 e 17.865 em 2017.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo