Palavras do Papa

Trechos do discurso de Bento XVI aos párocos de Roma – 14/02/13

É para mim uma graça particular da Providência que, antes de deixar o ministério petrino, possa ver ainda o meu clero, o clero de Roma. É sempre uma grande alegria ver como a Igreja vive, como em Roma a Igreja está viva: são pastores que no espírito do Pastor supremo, guiam o Rebanho do Senhor. É um clero realmente católico, universal e isto responde à essência da Igreja de Roma em si, levar à universalidade, a catolicidade de todos os povos, de todas as raças, de todas as culturas. Ao mesmo tempo estou muito grato ao cardeal vigário que ajuda a despertar, a encontrar as vocações na própria Roma, porque se Roma por um lado deve ser a cidade da universalidade, deve ser também uma cidade com uma própria força, fé robusta, a partir da qual nascem vocações. E estou convicto de que com a ajuda do Senhor podemos encontrar as vocações que Ele próprio nos dá, guiá-las, ajudá-las a amadurecer e assim servir para o trabalho na vinha do Senhor.

Hoje, vós confesseis diante do Túmulo de São Pedro, o Credo: no Ano da Fé, parece-me um ato muito oportuno, necessário, talvez, que o clero de Roma se reúna no Túmulo do Apóstolo ao qual o Senhor disse: "A ti confio a minha Igreja. Sobre ti edificarei a minha Igreja". Diante do Senhor, junto com Pedro, vós confesseis: “Tu és Cristo, o Filho de Deus vivo”. Assim cresce a Igreja: junto com Pedro, confessar Cristo, seguir Cristo. E façamos isso, sempre. Eu sou muito grato pela vossa oração que senti – como disse na quarta-feira – quase fisicamente. Mesmo se me retiro agora, em oração estou sempre próximo a todos vós e tenho certeza de que também todos vós sois próximos a mim, mesmo que para o mundo eu permaneça escondido.

Por hoje, segundo as minhas condições e idade, não pude preparar um grande e verdadeiro discurso, como se poderia esperar; mas antes de tudo penso em uma pequena conversa sobre o Concílio Vaticano II, como eu o vi.

Eu tinha sido nomeado em 1959 como professor da Universidade de Bonn, onde estudam os estudantes, os seminaristas da diocese de Colônia e de outras dioceses vizinhas. Assim, estive em contato com o Cardeal de Colônia, o Cardeal Frings. O Cardeal Siri, de Gênova, – parece-me que eu 1961 – tinha organizado uma série de conferências, com diversos cardeais europeus, sobre o Concílio e tinha convidado também o arcebispo de Colônia para realizar uma conferência, com o título: “O Concílio e o mundo do pensamento moderno”. O cardeal convidou-me – o mais jovem dos professores – a escrever-lhe um projeto; o projeto lhe agradou e propôs ao povo, a Gênova, este texto, como eu o tinha escrito.

Pouco depois, Papa João o convida a vir e ele estava cheio de temor de ter dito talvez qualquer coisa de errado, de falso e teria uma reprovação, talvez também para tirar-lhe o título… (os párocos riem). Sim …quando o seu secretário o vestiu para a audiência, disse: "Talvez agora abrigue pela última vez este material"… (os párocos riem). Depois, entrou. Papa João vai ao seu encontro, abraça-o e diz: "Obrigado, eminência, dissestes o que eu queria dizer, mas não tinha encontrado as palavras"… (os párocos riem, aplaudem). Assim, o cardeal sabia que estava no caminho certo, e convidou-me a ir com ele ao Concílio, antes como seu assessor pessoal, depois – ao longo do primeiro período, talvez em novembro de 1962 – fui nomeado também perito oficial do Concílio.

Então, nós fomos ao Concílio não só com alegria, mas com entusiasmo. Era uma expectativa incrível. Esperávamos que tudo se renovasse, verdadeiramente que viesse um novo Pentecostes, uma nova era da Igreja, porque a Igreja estava ainda bastante robusta, naquele tempo: a práxi dominical ainda boa, também as vocações ao sacerdócio e à vida religiosa estavam já um pouco reduzidas, mas ainda suficientes. Todavia, se sentia que a Igreja não estava seguindo em frente, mas estava reduzindo, parecia uma realidade do passado e não a condutora do futuro. E agora, esperávamos que esta relação se renovasse, fosse mudada, que a Igreja fosse de novo a força do amanhã e a força do hoje.

O Papa recordou ainda como a visão que se tinha era de "que a relação entre a Igreja e o período moderno do início era um pouco contrastante", começando com o erro no caso de Galileu, "e se pensava em corrigir este início errado" e em encontrar uma nova relação entre a Igreja e as forças melhores do mundo, "para abrir o futuro da humanidade, para abrir o verdadeiro progresso".

O Papa recorda: "estávamos cheios de esperança, de entusiasmo e também de vontade. Recordo-me – disse – que como modelo negativo era considerado o Sìnodo romano" – onde – se diz – que teria lido textos já preparados, e os membros do Sínodo teriam simplesmente aprovado e assim se teria realizado o Sínodo. Os bispos concordaram que não fariam assim enquanto eles próprios fossem sujeitos do Concílio. Assim – prosseguiu – até o cardeal Frings, que era famoso pela fidelidade absoluta, quase escrupulosa, ao Santo Padre, disse que o Papa convocou os bispos no Concílio ecumênico como um sujeito que renova a Igreja.

Bento XVI recordou que "o primeiro momento no qual se mostrou esta atitude, foi logo no primeiro dia". Estavam previstas, para este primeiro dia, as eleições das Comissões e estavam preparadas “de maneira imparcial as listas, os nominativos”. E estas listas eram para votar. Mas logo os padres disseram: “Não, não queremos simplesmente votar listas já feitas. Somos nós o sujeito”. Foi preciso transferir as eleições – acrescentou – porque os padres mesmos queriam conhecer-se um pouco, queriam eles mesmos preparar as listas. Assim foi feito. Não era um ato revolucionário – mas um ato de consciência, de responsabilidade por parte dos Padres conciliares.

Assim – observou o Papa – começava uma forte atividade de conhecimento recíproco. E isso se tornou usual para todo o período do Concílio: "pequenos encontros transversais". Neste novo modo pode conhecer grandes figuras como padre de Lubac, Danielou, Congar, etc.. E esta – revelou "era já uma experiência da universalidade da Igreja e da realidade concreta da Igreja, que não simplesmente recebe imperativos do alto, mas unida cresce e vai avante, sempre sob a guia – naturalmente – do Sucessor de Pedro.

Ressaltou, portanto, que tudos “vinham com grandes expectativas” porque “jamais havia sido realizado um Concílio destas dimensões”, mas não todos sabiam como operar. Aqueles que tinham intenções mais definidas eram o episcopado francês, alemão, belga, holandês, a assim chamada "Aliança Renana" (ou europeia). E na primeira parte do Concílio – disse – era eles que indicavam a estrada, em seguida alargada velozmente a atividade e todos sempre mais participaram da “criatividade do Concílio”.

Os franceses e os alemães – observou – tinham diversos interesses em comum, também com tons bastante diferentes. A primeira intenção inicial, aparentemente simples, “era a reforma da liturgia, que já havia começado com Pio XII”, que já tinha reformado a Semana Santa; a segunda intenção era a eclesiologia; a terceira a Palavra de Deus, a Revelação, e depois também o ecumenismo. Os franceses, muito mais que os alemães – notou – tinham ainda o problema de enfrentar a situação da relação entre a Igreja e o mundo.

Em relação à primeira questão, o Papa recordou que “depois da primeira guerra mundial, havia crescido na Europa central-ocidental, o movimento litúrgico” como “redescoberta da riqueza e profundidade da liturgia”, que estava até aquele momento quase fechado no Missal Romano do sacerdote, enquanto o povo reza com os próprios livros de oração “que eram feitos de acordo com o coração do povo”, assim se “buscava traduzir os conteúdos altos, a linguagem alta da liturgia clássica, em palavras mais emocionais, mais próximas ao coração do povo. Mas eram quase duas liturgias paralelas: o sacerdote com o coroinha, que celebrava a Missa segundo o Missal, e os leigos que rezavam a Missa com seus livros de oração”. Agora – prosseguiu – foi redescoberta “a beleza, a profundidade, a riqueza histórica, humana, espiritual do Missal” e a necessidade que não só um representante do povo, um pequeno coroinha, pudesse dizer “Et cum spiritu tuo” etc., mas que pudesse ser realmente “um diálogo entre sacerdote e povo”, de maneira que realmente a liturgia do altar e a liturgia do povo fossem “uma única liturgia, uma participação ativa”, de maneira que as riquezas chegassem ao povo: “e assim foi redescoberta, renovada a liturgia”.

O Papa destacou considerar de maneira muito positiva o fato de ter começado com a liturgia, porque desta maneira “aparece o primado de Deus”. Alguém – relevou – criticou o Concílio porque falava de tantas coisas, mas não de Deus: ao invés, falou de Deus e seu primeiro ato foi o de falar de Deus e de abrir a todo o povo santo a possibilidade da adoração de Deus, na comum celebração da liturgia do Corpo e Sangue de Cristo. Neste sentido – observou – além dos fatores práticos que desaconselhavam começar logo com temas controversos, foi realmente “um ato de Providência” que no início do Concílio tivesse liturgia, tivesse Deus, tivesse adoração.

O Santo Padre recordou, portanto, ideias essenciais do Concílio: principalmente o mistério pascal como centro do ser cristão, e portanto da vida cristã, expressada no tempo pascal e no domingo que é sempre o dia da Ressurreição: “sempre de novo começamos o nosso tempo com a Ressurreição, com o encontro com o Ressuscitado”. Neste sentido – observou – é uma pena que hoje o domingo tenha se transformado em um fim de semana, enquanto é o primeiro dia, é o início: “interiormente devemos considerar assim, é o início, o início da Criação, é o início da re-criação da Igreja, o encontro com o Criador e com Cristo Ressuscitado”. O Papa sublinhou a importância deste duplo conteúdo do domingo: é o primeiro dia, isto é, a festa da Criação, enquanto cremos em Deus Criador, e o encontro com o Ressuscitado que renova a Criação: “seu verdadeiro objetivo é criar um mundo que é resposta ao amor de Deus”.

Outras ideias do Concílio eram princípios de inteligibilidade da Liturgia – ao invés de ficar fechado em uma língua não conhecida, não falada – e também a participação ativa. “Infelizmente – disse – estes princípios foram também mal entendidos”. De fato, a inteligibilidade não significa “banalidade”, porque os grandes textos da liturgia – também nas línguas faladas – não são facilmente inteligíveis, “precisam de uma formação permanente do cristão, para que cresça e entre sempre mais na profundidade do mistério e assim possa compreender”. E também em relação à Palavra de Deus – perguntou – quem poderia dizer que entende os textos da Escritura rapidamente, somente porque está na própria língua? “Só uma formação permanente do coração e da mente pode realmente criar inteligibilidade e uma participação que é mais de uma atividade exterior, que é um entrar na pessoa, do meu ser na comunhão da Igreja e assim na comunhão com Cristo”.

O Papa abordou o segundo tema: a Igreja. Recordou que o Concílio Vaticano I foi interrompido por causa da guerra franco-germânica e assim sublinhou só a doutrina sobre o primado, que foi definida “graças a Deus naquele momento histórico”, e “para a Igreja era muito necessária para o tempo seguinte”. Mas – sublinhou – “era somente um elemento em uma eclesiologia mais vasta”, já em preparação. Assim do Concílio restou um fragmento. E, portanto, já desde o início – disse – havia esta intenção de realizar em uma data a ser fixada uma eclesiologia completa. Também aqui – sublinhou – as condições pareciam muito boas porque, depois da primeira guerra mundial, renasceu o sentido da Igreja em novo modo. Nas almas começa a despertar a Igreja e o bispo protestante falava do “século da Igreja”. Foi reencontrado principalmente o conceito que estava previsto pelo Vaticano I, do corpo místico de Cristo, queria dizer e entender que a Igreja não é uma organização, algo de estrutural, jurídico, institucional, é também isso, mas é um organismo, uma realidade vital, que entra na minha alma, tanto que eu mesmo, com minha alma que crê, sou elemento construtivo da Igreja como tal. Neste sentido, Pio XII havia escrito a Encíclica Mistici Corporis Christi, como um passo rumo a uma complementação da eclesiologia do Vaticano I.

Diria que a discussão teológica dos anos 30 e 40, também 20, estava completamente sob este sinal do palavra “Mistici Corporis”. Foi uma descoberta que criou tanto alegria naquele tempo e também neste contexto cresceu a fórmula “Nós somos a Igreja, a Igreja não é uma estrutura, alguma coisa… nós cristãos, juntos, somos todos o corpo vivo da Igreja”. E naturalmente isso vale no sentido que nós, o verdadeiro nós dos crentes, junto com o Eu de Cristo, é a Igreja. Cada um de nós, não um nós, um grupo que se declara Igreja. Não: este “nós somos Igreja” exige minha inserção no grande “nós” dos crentes de todos os tempos e lugares.

Portanto, primeira ideia: completar a eclesiologia de modo teológico, mas prosseguindo também de modo estrutural, isto é, ao lado da sucessão de Pedro, a sua função única, definir também melhor a função dos bispos, do corpo episcopal. E para fazer isso, foi encontrada a palavra “colegialidade”, muito discutida com intensas discussões, diria, até um pouco exageradas. Mas era a palavra, talvez poderia ser também uma outra, mas servia esta para expressar que os bispos, juntos, são a continuação dos doze, do corpo dos Apóstolos. Dissemos: só um bispo, o de Roma, é sucessor de um determinado apóstolo, de Pedro. Todos os outros se tornam sucessor dos apóstolos entrando no corpo dos apóstolos. E assim o corpo dos bispos, o colégio, é a continuação do corpo dos doze, tem assim sua necessidade, a sua função, os seus direitos e deveres.

 

Comentários

comentários

↑ topo